miércoles, 2 de marzo de 2016

Arquitetura contemporânea do Chile.

Arquitetura contemporânea do Chile.
Jorge Villavisencio.

A República do Chile está situada no extremo sul da América, uma faixa bastante estreita limitada pela cordilheira dos Andes. Mais banhada pelo Oceano Pacifico algo mais de 6.400 km. de extensão. Mais seu clima de maneira global é bastante diversificada, apresar de existir uma faixa importante de agua provocada pela geleira dos Andes, mais tem desertos muito consideráveis como do Atacama, onde a sequidade é uma das mais altas do mundo.

F.01 – Termas Geométricas, Parque Nacional de Villarica, Cautin (2003) de German del Sol
Fonte: Guy Wenborne do livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Chile supera os 17 milhões de habitantes, com uma área de 756.950 km2. Apesar de ser uma região bastante limitada pelo seu próprio clima, sua extensão e população reduzida em comparação com o Brasil, tem uma renda per capita que supera os 23 mil dólares. A base de uma produção e exportação de mineiro do cobre, assim como diferentes qualidades de suas frutas e uma diversidade de vinhos que são conhecidos no mundo todo. Pensamos que desta forma temos dado um panorama da República do Chile.

F.02 – Casa para as onze mulheres, Zapallar (2004) de Mathias Klotz
Fonte: Cristián Undurraga do livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Recentemente foi nomeado o arquiteto Alejandro Aravena com o importante premio Pritzker 2016. Aravena realiza seus estudos na PUC do Chile, mais alcança seus posgrados na Academia de Belas Artes em Veneza. Também foi professor convidado na Universidade de Harvard, Universidade da Cataluña, assim como consultor do BID. Além-claro de ser convidado como único arquiteto latino-americano membro do júri que outorga o premio Pritzker, função que desempenho desde o ano de 2009 até 2015. No ano de 2001 funda o escritório de arquitetura quem é Diretor Executivo da Elemental S.A. Dentro de seu escritório trabalham outros arquitetos Gonzalo Arteaga, Diego Torres, Víctor Oddó y Juan Ignacio Cerda entre outros.

F.03 – Planta de Agua Mineral Aouni, Punta Arenas (2008) de Bebin & Saxon – arquitetos
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

A quantidade obras de Alejandro Aravena não são um tanto extensas, mais com a qualidade dignas de serem investigados, aqui alguns de seus projetos: Faculdade de Matemáticas da Universidade Católica de Chile, Colégio Huelquén Montessori, Vivendas social Quinta Monroy na cidade de Iquique (ver F.06 e F.07), as Torres Siamesas da Universidade Católica de Chile (ver F.10), Residência para a Universidade St. Edwards, Austin, Texas nos Estados Unidos, Vivendas e Centro Comunitário em Temuco, Projeto de reconstrução de edifícios públicos da cidade de Concepción, Vivendas social em Monterrey no México, Conjunto de Vivendas e Centro Comunitário Lo Barnechea, Escola Aurélia Rojas Burgos, La Pintana, o Centro de Inovação Anacleto Angelini, o Campus San Joaquín, Universidade Católica de Chile, na capital Santiago de Chile, a Faculdade de Medicina da UC, e por ultimo o Parque Perímetro Urbano em Calama no Chile este em construção desde 2016.

F.04 – Bodega/Industria Olisur, San Jose de Michingüe (2008) de Hevia
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Gostaria de fazer algumas colocações sobre o arquiteto Alejandro Aravena, claro ele como a principal cabeça pensante da equipe que ele dirige, mais temos que entender, que hoje os escritórios de arquitetura contemporâneos não se fazem sozinhos, é o grupo de pessoas que dignificam sua arte, mais a escolha destas pessoas são da inteira confiança (assim penso) do próprio Aravena. Além-claro da humildade que caracteriza estes renomados arquitetos com tão só 48 anos de idade.

F.05 – Museu da Memoria, Santiago de Chile (2010) do Estudo América - Carlos Dias, Lucas Fehr e Mario Figueroa (arquitetos do Brasil)
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Mais gostaria num futuro próximo fazer uma pesquisa mais profunda sobre o notável arquiteto chileno, não é a toa que se outorga o Pritzker 2016, para nós que somos do continente Americano, em especial da América do Sul, ter um profissional arquiteto e urbanista com o mais alto destaque internacional, penso que de alguma forma “o mundo está nos observando”, apesar das nossas dificuldades que são uma caraterística nesta parte do continente, assim aconteceu quando forem nomeados ao Pritzker aqui no Brasil os arquitetos Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha.

F.06 – Vivendas Sociais - Quinta Monroy, Iquique (2003-2004) de Alejandro Aravena – 1° etapa
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

F.07 – Vivendas Sociais - Quinta Monroy, Iquique (2003-2004) de Alejandro Aravena – 2° etapa
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Sem duvida a arquitetura do Chile, se tem destacado nestes últimos tempos com escritórios de arquitetura como do Coz, Polidura e Volante – arquitetos, do arquiteto Smijan Radic, do arquiteto German del Sol, de Mathias Klotz, de Sebastian Irrázaval, de Bebin & Saxton – arquitetos, do arquiteto Hevia, do arquiteto José Cruz, é claro do próprio Alejandro Aravena entre outros.

Para a apresentação deste escrito temos nos preocupado em presentar alguma imagens de suas obras, muitas delas extraídas do livro a quem damos os créditos e que faz parte da nossa bibliografia do Atlas de Arquitecturas del siglo XXI – América do arquiteto, historiador e pesquisador Luís Fernández-Galiano editado pelo BBVA do ano de 2010.

Para Fernando Pérez Oyarzun, um dos fatos de ter progresso a arquitetura do Chile (é seus representantes arquitetos chilenos) foi levar a seus arquitetos a diferentes partes do mundo como China, Alemanha, Estados Unidos, Suíça, Argentina entre outros principalmente com trabalhos de Mathias Klotz, Alejandro Aravena, José Cruz e Sebastian Irrázaval.

Pensamos que a difusão dos seus trabalhos com uma qualidade tectônica, nos referimos não só ao lado formal e funcional, mais uma preocupação constante com escolha dos materiais e a técnica aplicada nos seus projetos. Sem duvida hoje em dia com a velocidade das redes sociais e de informação (internet) se torna uma ferramenta importante para a difusão e conhecimentos dos trabalhos.

Por isso ao dizer “A arquitetura corresponde a exigências de natureza tão diferentes que descrever adequadamente o seu desenvolvimento significa entender sua própria historia...” (Zevi, 2000:53)
Consideramos conhecer o porquê destas novas formas arquitetônicas faz sentido sé conhecemos a própria historia do lugar como menciona Zevi.

F.08 – Museu no deserto de Atacama, Antofagasta (2009) de Coz, Polidura e Volante - arquitetos
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

No caso da arquitetura chilena o primer conhecimento sé dá através “... de sua importante atividade teórica...que não se limita a propor soluções ou problemas locais, mais que participam numa discussão teórica mais geral.”(Pérez, 2010:270), e claro, de seus questionamentos sobre a arquitetura que não se oferece só no Chile mais em outras partes do mundo. Como indicamos anteriormente uma difusão das NTIC em forma tectônica e teórica, através de textos críticos e imagens facilitam que nos poderia levar a novas propostas.

Vejamos “… um novo aprender, uma restauração na formação do professor, que se depara como uma gama imensurável de informações...assim como as contingencias políticas e a arquitetura do conhecimento.” (da Silva, 2006:VII). Não queremos entrar em cheio com está questão educacional da arquitetura, mais sim devemos dizer que devem existir certas politicas educacionais em conhecer através de suas escolas e da aplicação das novas tecnologias da informação e comunicação – NTIC, assunto demais contemporâneo que na realidade está cada mais presente no cotidiano de todas as pessoas. É claro, também das diferentes bienais, exposições, publicações que se materializam em projetos de esmerada qualidade, além das diferentes viagens que todos os arquitetos devemos fazer, desta forma nos inspiram estes projetos.

O intercambio com Espanha com a Escola de Arquitetura de Valparaiso abre certas portas para uma nova realidade da arquitetura, consideramos que escolas de arquitetura que procuram novos mecanismos de intercambio e conhecimento, além-claro, do interesse do corpo docente e dissente, faz que se crie uma nova cultura arquitetônica, como sucede na Colômbia com a FAU da Universidade dos Andes, ou da FAUA da Universidade Nacional de Engenheira no Perú, e aqui no Brasil com a FAU da Universidade de São Paulo – USP, que formam arquitetos e urbanistas que tem diferentes olhares do que é a arquitetura contemporânea.

Vale a pena dizer que “O paisagem e contexto urbano – Que na realidade a paisagem e força da natureza são no Chile o mais de significativo que a oferta cultural que há constituído uma convicção relativamente difundida.” (Pérez, 2010:271).
Sem lugar a duvidas, o espaço da paisagem gera certa comoção do próprio intelecto, e provoca a toma de decisões do partido arquitetônico, apresentar soluções das diversas condicionantes que tem que ser solucionadas, o contexto da própria paisagem se considera que está mais presente em uma arquitetura contemporânea, o vinculo com está realidade de “dialogo” com a natureza, como se indica “...uma das equipes que tem se aplicado em desenvolvimento a relação entre a arquitetura, experimentação artística e ecológica e composta pelo arquitetos Elisabeth Diller e Ricardo Scoficio” (Montaner, 2012:165).

F.09 – Casa de Cobre 2, Talca (2005) de Smijan Radic
Fonte: Livro de Luis Fernández-Galiano (2010)

Alguns projetos do Chile tem logrado certa eficiência com o dialogo mais profundo com a natureza e sua própria paisagem, a proposta arquitetônica na sua concepção, como é o caso do arquiteto German del Sol na sua obra das Termas Geométricas no Parque Nacional de Villarica (ver F.01), do projeto de Bebin & Saxon da Planta de Aguas em Punta Arenas (ver F.03), assim como do excelente projeto de Coz, Polidura e Volante no Museu do Deserto de Atacama em Antofagasta no Chile. (ver F.08).

Pensamos que a arquitetura do Chile não tem medo de “experimentar e inovar”, isto já está no habito tectônico do dia a dia, estas ultimas gerações tem mostrado isso, a quantidade de arquitetos e escritórios de arquitetura tem produções de alta qualidade que pode ser comparado em outros continentes. Existe uma vontade dos últimos governos de gestão nas qualidades que tem a arquitetura. As empresas chilenas se têm esmerado em motivar a seus profissionais da arquitetura em personalizar sua imagem através de sua arte. As demandas sociais são atendidas com uma qualidade esmerada, como é o caso das vivendas sociais de Alejandro Aravena (ver F.06 e F.07), assim como de um profundo respeito com a paisagem e a natureza, assunto que temos abordado com intensidade.

Para terminar gostaria incluir está referencia/citação e dizer: “... a arquitetura deixará de ter um luxo reservado alguns, para contribuir com as maiorias. O desafio compromete aos profissionais e suas escolas – que devem fazer um esforço especial para atender ditas demandas na formação de estudantes – mais também as instituições sociais e a sociedade no seu conjunto, que precisam compreender com mais claridade do que a arquitetura e capaz de oferecer.” (Pérez, 2010:279).

F.10 – Torres Gêmeas – PUC-Chile, Santiago de Chile (2003) de Alejandro Aravena
Fonte: Site Archdialy, novembro de 2011

Foi difícil, ao mesmo um reto pra nos, poder explicar de maneira concisa do que é a arquitetura do Chile, não temos utilizado nenhum tipo de sensacionalismo da arquitetura contemporânea neste país, mais tenho convicção que ainda poderia ter abordado mais assuntos, talvez numa próxima vez. Agradecemos de maneira especial a Fernando Pérez Oyarzum no seu belo texto “La excelencia en el limite” publicado na referencia do livro de Luis Fernández-Galiano no seus textos assim como de suas imagens.

Goiânia, 2 de março de 2016.
Arq. MSc. Jorge Villavisencio.


Bibliografia

ZEVI, Bruno; Saber ver a arquitetura, Ed. Martins Fontes, São Paulo, 2009.

MONTANER, Josep Maria; A modernidade superada: Ensaios sobre a arquitetura contemporânea, Editora Gustavo Gili, São Paulo, 2012.

FERNÁNDEZ-GALIANO, Luis (coordinador); Atlas del siglo XXI – América, Ed. Fundación BBVA, Bilbao, 2010.

DA SILVA, Glaucia; DA PIRIFICACAO, Ivonélia; Educação e novas tecnologias: um re-pensar, Ed. Ibpex, Curitiba, 2006.





No hay comentarios.:

Publicar un comentario